Logo HMC
Notícias

Cirurgia bariátrica: saiba mais sobre os riscos e exigências

A cirurgia bariátrica, também conhecida como redução do estômago, é considerada uma alternativa para a perda de peso e tratamento de doenças associadas à obesidade ou sobrepeso.

Porém, como toda operação, a cirurgia bariátrica apresenta riscos e deve ser acompanhada por médicos especializados durante o pré e o pós-operatório. Além disso, este procedimento deve ser realizado somente em casos clínicos específicos com recomendação médica.

A cirurgia bariátrica é a redução das dimensões do estômago e a alteração do trânsito do bolo alimentar pelas alças intestinais para tratar os graus mais altos de obesidade. Para isso, é feito o grampeamento de parte do estômago e um desvio do intestino para aumentar os hormônios que diminuem a fome e dão saciedade. 

Dessa forma, o emagrecimento é resultante da ingestão de menor quantidade de alimentos e aumento da sensação de saciedade, que também ajuda a controlar doenças decorrentes da obesidade, como diabetes, hipertensão, problemas cardíacos e respiratórios.

A obesidade está relacionada a diversas doenças, inclusive ortopédicas e articulares. Por isso, a realização da cirurgia bariátrica deve levar em consideração os seguintes critérios:

  • Índice de Massa Corporal (IMC);
  • Idade do paciente;
  • Doenças associadas à obesidade;
  • Tempo de doença.

Em geral, a cirurgia é recomendada para pacientes com idade entre 18 e 65 anos, IMC igual ou acima de 40 kg/m² com ou sem comorbidades ou IMC entre 35 e 40 kg/m² na presença de comorbidades. Outra condição é apresentar IMC estável há pelo menos 2 anos e não ter tido sucesso com outras formas de emagrecimento.

Além disso, o paciente que optar pela cirurgia deve seguir à risca todas as etapas e recomendações de preparação e pós-operatório para mudar seus hábitos alimentares e garantir a eficácia do procedimento. 

Riscos da cirurgia bariátrica

A bariátrica foi desenvolvida para combater os índices de mortalidade das pessoas com IMC maior de 40 e melhorar a qualidade de vida do paciente. 

Os riscos da cirurgia bariátrica são baixos, mas, como qualquer procedimento cirúrgico, deve ser realizada por médicos habilitados e experientes em um hospital com estrutura adequada, como é o caso do Hospital Marcelino Champagnat. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), se comparados, os riscos são menores do que a realização de cesariana ou parto normal.

No entanto, além dos critérios já citados para a recomendação da cirurgia, a associação contra indica a operação nos seguintes casos:

  • Pacientes com limitação intelectual significativa;
  • Pacientes sem suporte familiar adequado;
  • Transtorno psiquiátrico não controlado, incluindo uso contínuo de álcool ou drogas ilícitas (pacientes com quadros psiquiátricos graves e adictos sob controle podem realizar a cirurgia);
  • Doenças genéticas.

Atualmente existem várias técnicas para reduzir as dimensões do estômago e alterar o trânsito do bolo alimentar. Algumas das mais utilizadas são o bypass gástrico, a gastrectomia vertical, o duodenal switch e a banda gástrica ajustável. 

A cirurgia bariátrica também pode ser realizada por videolaparoscopia, ou seja, são realizadas pequenas incisões para a inserção de pinças e o médico opera o paciente por meio de uma televisão ou monitor cirúrgico. Por ser menos invasivo, este método apresenta menos riscos do que a cirurgia aberta.

Após a realização da operação, benefícios como redução de glicemia, queda da pressão arterial, dos níveis de colesterol e triglicérides, entre outros problemas de saúde, podem ser imediatos. Em alguns casos, quando essas doenças estão diretamente relacionadas à obesidade, os pacientes podem até mesmo deixar de utilizar alguns medicamentos.

No entanto, o pós-operatório exige dedicação e disciplina para o paciente se adaptar às mudanças. A perda de peso geralmente ocorre de maneira rápida nos dois primeiros anos, mas o paciente deve ter o acompanhamento de uma equipe multiprofissional, já que o menor exagero alimentar pode causar os sintomas conhecidos como dumping (sudorese, tontura, fraqueza e tremores, por exemplo).

O Hospital Marcelino Champagnat é referência em cirurgias de média e alta complexidade, entre elas a cirurgia bariátrica. Com estrutura tecnológica de ponta e médicos especialistas em cirurgia desse tipo, o hospital também oferece consultórios médicos de diversas outras especialidades. Além disso, é o único hospital do Paraná com duas acreditações da Joint Comission International (JCI)

Para saber mais sobre o Hospital Marcelino Champagnat, acompanhe as notícias no site.